quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Rota de fuga


Ele virou a esquina e sumiu.Mesmo que, logo em seguida, você vire para procurar por ele, já terá ido.Colocou uma mochila nas costas e foi em busca de alguma coisa merecedora de ser buscada.Entrou na rua mais vazia e, como em calçadas de paralelepípedos, foi construindo, pedra por pedra, uma a frente da outra, uma nova trilha, sem precisar colocar placas de "cuidado obras", nem desvio de passagem para pedestres.Declarou-se desaparecido, sem cartazes de procura-se nem mapas de como lhe encontrar.Quis que não o encontrassem.Pegou a trilha do "lá longe" até chegar em Neverland.Queimou dinheiro.Dormiu em kombis de hippies, lavou a calça em rio de água corrente e brincou sozinho de ver desenhos em nuvens num céu azul turquesa que avisava a chegada da chuva.Tomou banho de mar numa praia deserta, depois tomou banho na chuva.Secou a roupa estendida em galhos de árvore, e dormiu à sombra de bananeiras.Viu o sol se pôr aos pés de montanhas e viu o sol nascer debaixo de lençóis de água.Plantou árvores, abraçou árvores, conversou com árvores e comeu frutas de seus pés.Levou picadas de bichos que não conhecia e fez amizades com bichos que nunca mais voltou a ver.Experimentou comidas diferentes e mulheres exóticas, conheceu homens inesqueciveis e lugares incríveis.Percorreu quilômetros, deu a volta ao mundo e escreveu um diário.Perdeu o sotaque(que nunca teve) e ganhou sotaques que nem sabia que existiam.Passou frios e calores, viveu amores e desamores, odiou, aprendeu a gostar, sonhou, acordou sem saber onde estava, se envenenou, se curou de doenças que nem imaginava que tinha e descobriu coisas que nem imaginava que sabia.Escutou músicas que ele mesmo fez, leu poesias feitas por analfabetos e se daparou com cenas cinematográficas, ao vivo, que nem foram filmadas.Construiu objetivos, preservou subjetivos, esqueceu-se de promessas e sentiu saudades...Morreu de saudades, morreu de amores, viveu de felicidades e de aventuras.Quis voltar pra casa e teve medo de morrer onde tinha acabado de chegar.Aprendeu a viver com quem não tinha pelo que viver.Descobriu que a vida o esperava na virada da próxima esquina.Depois mais de um ano e alguns meses voltou pela mesma rua que foi, mas que desta vez ele mesmo tinha calçado, pintado...reformado.Entrou pela mesma esquina que sai e no final da rua encontrou as mesmas pessoas que tinham ficado.Finalmente poderia explicar o porque de não terem lhe encontrado, mas não soube.Só soube falar que a pessoa que tinha ido não era a mesma que tinha voltado, e que agora a rua pela qual ele tinha passado recebeu seu próprio nome.Quando perguntaram onde tinha ido respondeu "Alí, virando a esquina, passando uma rua que parece esperar reformas com uma placa sem nome".

Um comentário:

  1. Francisco Lombardi4 de outubro de 2009 18:10

    Que coisa boa, uma aventura num piscar de olhos, num dobrar de esquina! é assim que vai ser meu camarada!
    Grande abraço

    ResponderExcluir